NEWS

Arbitragem como tendência nas relações comerciais

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Regulamentada por meio da Lei nº 9.307/1996, a arbitragem caracteriza-se como método adequado de resolução de controvérsias que versam sobre direitos patrimoniais e disponíveis, por meio do qual as partes em litígio abdicam da jurisdição estatal e buscam, através da via privada, a solução de seus conflitos.

Por ser mais adaptável às necessidades dos litigantes, o procedimento arbitral concede às partes maior eficiência na tutela de interesses e naturalmente garante celeridade na prestação jurisdicional – especialmente quando comparado à morosidade do Poder Judiciário.

Além do mais, a flexibilidade da arbitragem confere às partes envolvidas o poder de escolha sobre quais regras serão aplicáveis, qual o local da arbitragem, quem será responsável por julgar o conflito, dentre outros.

Sob o ponto de vista comercial (e prático) tem-se que o maior atrativo deste instituto é a confidencialidade, vez que o procedimento arbitral é coberto sob o manto do sigilo, a não ser que a demanda envolva o Poder Público.

A dinâmica das relações comerciais modernas impõe que as empresas preocupem-se, cada vez mais, em proteger informações decorrentes de suas atividades empresariais como segredos industriais, estratégias comerciais, know-how, clientela e tantas outras.

Por resguardar todas as informações comerciais sensíveis das partes, a arbitragem se tornou a primeira opção das empresas de médio e grande porte na resolução de seus mais variados problemas.

Na última década, o Brasil verificou crescimento exponencial na utilização da arbitragem como forma de resolução de conflitos, o que favoreceu o sucesso e a consolidação deste instituto por aqui. Não à toa, o país registrou o 7º lugar no ranking mundial de países que mais recorreram à arbitragem, segundo o último relatório da Corte Internacional de Arbitragem, sendo que se tem, para o futuro, perspectiva de igual e/ou superior crescimento.

Entre em contato com a nossa área de Arbitragem para conhecer mais sobre a aplicação em seus contratos.

Luísa Farfus Santos

Küster Machado Advogados
Küster Machado Advogados Com mais de 30 anos de atuação nacional, o Küster Machado Advogados oferece soluções jurídicas abrangentes nas esferas contenciosas e consultivas em mais de 20 áreas do Direito a nível nacional. Possui unidades nas cidades de Curitiba, Blumenau, Londrina, Florianópolis e São Paulo e desks na Suécia, China e Estados Unidos.

Últimos posts desse autor

Desafios para a arbitragem COVID-19

Após a circulação das primeiras notícias sobre a propagação do novo coronavírus no Brasil, os órgãos do Poder Judiciário editaram regras especiais para a prática de atos processuais, adaptáveis ao

Quais as espécies de arbitragem?

Seguindo com nossos conteúdos sobre arbitragem, neste mês teceremos breves comentários acerca de suas espécies, a fim de desmistificar algumas questões inerentes a cada uma delas. Primeiramente, é importante ressaltar

Quem decidirá meu conflito na Arbitragem?

Superadas as perguntas de quando e como valer-se do procedimento arbitral, passaremos a tratar de outros aspectos relevantes da arbitragem. Neste mês, teceremos breves considerações sobre quem pode ser árbitro,