NEWS

PIS/COFINS – Gastos com publicidade podem ser creditáveis

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

PIS/COFINS – Gastos com propaganda e marketing podem ser creditáveis

As empresas enquadradas no Lucro Real (como regra geral) apuram as contribuições PIS/COFINS pelo método não cumulativo. Isso quer dizer que essas empresas podem apurar PIS/COFINS descontando créditos com base em certos gastos elencados na legislação, dentre os quais os  bens e serviços, utilizados como insumo.  

Por essa previsão legislativa, a definição de insumo para prestação ou produção de bens e serviços é extremamente relevante para a apuração de tributos de diversas empresas. Quanto mais abrangente este conceito maior a possibilidade de creditamento e menor o valor de contribuições a pagar. Esta discussão conceitual foi muito acirrada durante muito tempo nas esferas administrativa e judicial mas tem se pacificado por uma decisão de 2018 prolatada pelo STJ.

Nessa decisão o tribunal superior adotou um conceito baseado em essencialidade ou relevância – considerando-se a imprescindibilidade ou a importância de determinado item – bem ou serviço – para o desenvolvimento da atividade econômica desempenhada por cada empresa. Em outras palavras, é considerado insumo aquele bem ou serviço que caso seja retirado impossibilite a atividade da empresa ou implique substancial perda de qualidade da prestação do serviço.

Na redação do próprio acórdão:

Insumos são todos aqueles bens e serviços pertinentes ao, ou que viabilizam o processo produtivo e a prestação de serviços, que neles possam ser direta ou indiretamente empregados e cuja subtração importa na impossibilidade mesma da prestação do serviço ou da produção, isto é, cuja subtração obsta a atividade da empresa, ou implica em substancial perda de qualidade do produto ou serviço daí resultantes.

Confirmando este entendimento também na esfera administrativa, o CARF vem adotando premissas semelhantes. Inclusive, recentemente uma decisão neste sentido acabou acolhendo os pedidos de uma empresa que cuida da parte de inovação e tecnologia da Natura. Na ocasião, os julgadores administrativos compreenderam que despesas de propaganda e marketing podem ser consideradas como insumos, dependendo da atividade da empresa.

Diante desses precedentes e do novo conceito de insumos que vem sendo adotado, cabe aos demais contribuintes avaliarem suas atividades e adequarem suas premissas de apuração tributária considerando a essencialidade e relevância de seus gastos.

Ricardo Miara Schuarts

Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, (2009). Cursou Especialização em Direito Público, pela Escola da Magistratura Federal (2010/ 2011), MBA em Comércio Exterior e Negócios Internacionais – Fundação Getúlio Vargas/São Paulo (2012/2014) e Extensão Universitária, como aluno convidado, em International Tax Law – Georgia State University – College of Law – Atlanta, USA (2014). Atuou profissionalmente como Advogado na Área de Direito Securitário, no Escritório Küster Machado Advogados Associados ( 2007/2012). Foi advogado na Área de Direito Marítimo e Tributário da empresa Hamburg Süd Shipping Company, em São Paulo/SP (2012/2013) e Consultor Tributário no Escritório Rödl & Partner, em São Paulo/SP (2013/2014) e posteriormente com atuação internacional no Escritório Rödl & Partner – Rödl Langford de Kock LLP, sede de Atlanta, USA (2014). É Gestor das áreas de Direito Tributário, Societário e Internacional do Escritório Küster Machado.
Küster Machado Advogados
Küster Machado Advogados Com mais de 30 anos de atuação nacional, o Küster Machado Advogados oferece soluções jurídicas abrangentes nas esferas contenciosas e consultivas em mais de 20 áreas do Direito a nível nacional. Possui unidades nas cidades de Curitiba, Blumenau, Londrina, Florianópolis e São Paulo e desks na Suécia, China e Estados Unidos.

Últimos posts desse autor