NEWS

Quando e como valer-se do procedimento arbitral?

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Aqueles que pretendem introduzir-se ao universo da arbitragem frequentemente questionam-se quando e como poderiam valer-se deste procedimento para resolver suas controvérsias. Por isso, no artigo deste mês, nos propomos a responder essas questões.

Quando utilizar-se da arbitragem? Seguindo a literalidade do artigo 1º da Lei de Arbitragem, há um filtro dos litígios que poderão ser encaminhados ao juízo arbitral – chamado de arbitrabilidade objetiva – o qual consiste na exigência de que o objeto da controvérsia verse sobre direito patrimonial (passíveis de valoração pecuniária) e disponível (possível de cessão, sem restrições).

Serão arbitráveis, portanto, conflitos de matérias societárias, contratuais, empresariais (e outras), dentre os quais as Partes poderão socorrer-se ao procedimento arbitral e usufruir das vantagens deste decorrentes (leia mais sobre o tema clicando aqui).

Mas como valer-se da arbitragem?  O consentimento em submeter-se ao procedimento arbitral é elemento importante para responder este questionamento, pois é um dos princípios norteadores do instituto. Este é exercido por meio da convenção de arbitragem, na qual as partes materializam sua opção pela renúncia ao Poder Judiciário.

A convenção de arbitragem, por sua vez, se divide em duas espécies:

(i) a cláusula compromissória, consistente na previsão contratual que eventuais conflitos decorrentes do contrato serão resolvidos pela arbitragem; e

(ii) o compromisso arbitral, que é instrumento firmado pelas Partes, diante de conflito manifesto,  por meio do qual opta-se por direcionar ao juízo arbitral a solução da questão.

Em qualquer dos casos, é interessante que se busque uma assessoria especializada na matéria, com o intuito de verificar a viabilidade jurídica – e econômica – da inserção de cláusula compromissória arbitral, quando da redação do contrato, ou, em havendo conflito instalado, da possibilidade de se firmar compromisso arbitral, bem como o preenchimento de todos os requisitos para tanto.

Entre em contato com a nossa área de Arbitragem para conhecer mais sobre a aplicação em seus contratos e controvérsias.

Luísa Farfus Santos

Küster Machado Advogados
Küster Machado Advogados Com mais de 30 anos de atuação nacional, o Küster Machado Advogados oferece soluções jurídicas abrangentes nas esferas contenciosas e consultivas em mais de 20 áreas do Direito a nível nacional. Possui unidades nas cidades de Curitiba, Blumenau, Londrina, Florianópolis e São Paulo e desks na Suécia, China e Estados Unidos.

Últimos posts desse autor

Desafios para a arbitragem COVID-19

Após a circulação das primeiras notícias sobre a propagação do novo coronavírus no Brasil, os órgãos do Poder Judiciário editaram regras especiais para a prática de atos processuais, adaptáveis ao

Quais as espécies de arbitragem?

Seguindo com nossos conteúdos sobre arbitragem, neste mês teceremos breves comentários acerca de suas espécies, a fim de desmistificar algumas questões inerentes a cada uma delas. Primeiramente, é importante ressaltar

Quem decidirá meu conflito na Arbitragem?

Superadas as perguntas de quando e como valer-se do procedimento arbitral, passaremos a tratar de outros aspectos relevantes da arbitragem. Neste mês, teceremos breves considerações sobre quem pode ser árbitro,