NEWS

Caráter Dúplice da Ação Revisional

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

A Ação Revisional é uma modalidade de processo judicial no qual uma das partes busca a revisão de um contrato, que em sua grande maioria está relacionado a questões financeiras, como por exemplo, empréstimos, financiamentos ou contratos bancários. Geralmente, a parte que ingressa com a ação sustenta que as condições originais do contrato seriam desvantajosas ou injustas, requerendo, assim, a revisão das condições anteriormente pactuadas.
Os principais objetivos de uma ação revisional podem incluir a redução de taxas de juros, a revisão de cláusulas contratuais consideradas abusivas, a readequação do valor das prestações ou, em alguns casos, a busca pela quitação do contrato com base em argumentos específicos.
Ocorre que, caso o contratante esteja inadimplente com o contrato que pretende realizar a revisão, em sede de liquidação de sentença, após a realização dos cálculos e com a devida compensação de valores conforme art. 368 e seguintes do Código Civil, a ação revisional pode ter resultado diverso do esperado por quem a ajuizou.

Em síntese, sendo apurado saldo positivo em favor da instituição financeira, a pretensão inicial de quitação de sua dívida ou até mesmo o recebimento de eventual valor pago a maior, não será exitosa para o Autor da ação que pediu a revisão, uma vez que esse saldo positivo, se torna um título executivo contra a parte autora.
De posse deste título executivo, a instituição financeira poderá executar os valores apurados nos próprios autos, invertendo os polos da ação, onde a Ré se torna Exequente e a parte autora, Executada.
Isso acontece devido ao caráter dúplice da Ação Revisional, a qual foi oficialmente reconhecida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) em 06.05.2014, ao julgar o Recurso Especial nº 1.309.090/AL, sob a relatoria do Ministro Sidnei Beneti, que brilhantemente assim discorreu:
(…) Entretanto, as mesmas razões que levam a crer que uma sentença que declara direitos e reconhece obrigação, nos termos do art. 475-N, do CPC, pode ser executada pelo autor, valem para o réu. Não há empecilho e tampouco limitação neste sentido, se o provimento resultou de um juízo de certeza que trouxe todos os elementos necessários à uma execução. (…)
Nesse contexto, verifica-se que é perfeitamente possível iniciar a fase de cumprimento de sentença após o julgamento da Ação Revisional, sem que haja a necessidade de fazer o pedido reconvencional ou qualquer solicitação explícita por parte da Ré, durante a fase de conhecimento.
Trata-se, portanto, de uma prerrogativa da instituição financeira em iniciar a execução com fundamento nos princípios da efetividade, economia processual e razoável duração do processo, além de representar uma oportunidade de recuperação de crédito, especialmente nos casos em que a operação não foi objeto de uma ação própria.

Loanne Lorena Moreale – Advogada – Direito Bancário

Küster Machado

Küster Machado Advogados
Küster Machado Advogados Com mais de 30 anos de atuação nacional, o Küster Machado Advogados oferece soluções jurídicas abrangentes nas esferas contenciosas e consultivas em mais de 20 áreas do Direito a nível nacional. Possui unidades nas cidades de Curitiba, Blumenau, Londrina, Florianópolis e São Paulo e desks na Suécia, China e Estados Unidos.

Últimos posts desse autor

Dating site to meet singles & find real love!

The opinions expressed are the author’s alone and have not been provided, approved or otherwise endorsed by our advertisers. Our membership pool consists of quality singles residing throughout the U.S.