NEWS

Küster Machado fecha as portas… para o passado, abrindo-as para o futuro!!

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Era 1:35 da manhã, quando leio mensagem de WhatsApp mandada pela minha filha, informando que havia recebido mensagem de uma amiga, perguntando se era verdade o conteúdo de uma mensagem onde lia-se o seguinte: “O Küster fechou as portas físicas. Não existe mais. Creio ser o primeiro grande escritório a adotar este novo modelo de negócio.” A mensagem continua., mas como se tratava de um print, eu não consegui ler.

Claro que isso, num primeiro momento, causou-me uma certa inquietação, pois a depender da interpretação, pode ser dada como um encerramento de atividades. Eu não sei a origem dessa notícia, mas a verdade está no título: sim! Estamos abrindo as nossas portas para o futuro!

Neste ano, completaremos 31 anos de atividade, até aqui, baseados em um modelo de negócio comum a todos os escritórios, não importando o tamanho da sua estrutura física, mas baseado tão somente nela. E com os custos decorrentes desse modelo. Sempre fui adepto da inovação e da aplicação da tecnologia a serviço do direito. Tanto é que, já no longínquo ano de 2005 demos início a digitalização de documentos. A reação foi imediata; alguns me chamaram, digamos de “visionário”, mas em 6 meses vimos o resultado, a economia de papel e a menor circulação deles em nossa rotina diária.

E aqui, abro um parêntese: Nós, advogados, como regra geral, somos extremamente conservadores, com receio de novidades, e muitas vezes, resistentes a elas. Todavia, temos que admitir que o mundo está em constante transformação e, se não estudarmos diariamente iremos “enferrujar”. E “enferrujando” certamente perdemos a capacidade de dar continuidade ao nosso “negócio”.
Eu mesmo demorei para admitir o escritório como uma empresa, como o meu negócio, e daí, com todos os ônus e bônus decorrentes.

Fecho o parêntese!

A inimaginável, mas previsível, crise decorrente da pandemia pelo COVID 19, trouxe consequências de toda ordem: humanitária, política, econômica, educacional e social e, lamentavelmente, muitas vidas humanas perdidas.

Nesse contexto, o que presenciamos foi um cenário bastante conturbado, através de muita desinformação e um ambiente político inseguro, sobre o que não pretendo tecer maiores comentários, imaginando que cada um de nós já tem uma ideia formada sobre isso.

Mas isso vai passar, e precisamos aprender a lição: urge que entendamos que inimigos invisíveis existem e que agem rápido! Que tenhamos mais esperança e que sejamos mais empáticos; precisamos ter aprendido muito mais do que lavarmos as nossas mãos!

A verdade é que, em momentos de crise, precisamos estar atentos às oportunidades criadas, sair de nossa zona de conforto, pensar de outra forma, porque quem não pensa não cria e, especialmente, tomar ações e atitudes que correspondam ao tamanho da crise.

Em março, no início do processo de isolamento, seguindo as regras de nosso PCN – plano de continuidade de negócio -, colocamos 120 pessoas em trabalho remoto em dois dias, sem nenhum trauma e nenhum susto. Posteriormente, fizemos uma pesquisa com nossos colaboradores e atingimos um percentual de 90% de satisfação em relação ao novo modelo. Importantíssimo acrescentar que não tivemos queda de produtividade; ao contrário, ela aumentou. Temos duas reuniões semanais com o nosso Conselho Gestor, atentos aos números e corrigindo eventuais distorções.

E a conclusão foi uníssona: por que não mudarmos para esse novo modelo? Para nós, os benefícios têm sido maiores do que eventuais transtornos, passíveis de correção.

Avançados em nossa curva de aprendizado, impulsionados pelos recursos de nossa plataforma tecnológica e, se pretendemos ser mais desejados pelos nossos clientes, por nossa modelagem de parceria, baseada na imersão em sua área de negócios, julgo que estamos tomando a decisão correta.

Sim, estamos fechando as nossas portas para o passado! De nossas cinco unidades, na de Londrina, definitivamente estamos adotando o remoto, as unidades de Blumenau e Florianópolis o remoto, ao menos até o final de 2020. Em 2021, o modelo híbrido. Na de São Paulo, vamos adotar um modelo híbrido assim que possível e, somente a matriz, com a parte operacional de financeiro, administrativo e diretoria permaneçam com o trabalho presencial, com a possibilidade daqueles que não se adaptaram ao home office, retornarem ao escritório. Vamos adotar todas as medidas necessárias para que o nosso maior patrimônio – as pessoas – não percam as suas conexões com os seus ambientes de trabalho e com seus colegas.

Enfim, dessa forma, abrimos as nossas portas para o futuro!
Finalizo, com uma frase do ex-presidente Barack Obama, certamente inspirado por uma oração usada, desde o século XII, pela tribo Hopi:

“A mudança não virá se esperarmos por outra pessoa ou por outros tempos. Nós somos aqueles por quem estávamos esperando. Nós somos a mudança de procuramos.”

[1] Vocês andaram dizendo às pessoas que esta é a Décima Primeira Hora. Agora vocês precisam voltar e dizer a essas pessoas que a Hora é agora.

E que há coisas a serem consideradas:
Onde vocês estão morando?
O que vocês estão fazendo?
Quais são os seus relacionamentos?
Vocês estão em boas relações?
Onde está a água de vocês?
Conheçam o seu quintal.
É o momento de falarem a sua Verdade.
Formem as suas comunidades.
Sejam bons uns com os outros.
E não procurem fora de vocês pelo líder.
Este poderia ser um tempo muito bom!

Há um rio que agora está correndo muito rápido.
Ele é tão grande e ágil que chegará a assustar alguns.
Esses vão tentar ficar na margem, e se sentirão como que deixamos de lado, e vão sofrer muito.
Saibam, o rio tem o seu destino.
Os anciãos dizem que precisamos deixar a margem, saltar para o meio do rio, manter os olhos bem abertos e as cabeças acima da água.


Veja quem está lá dentro com vocês e celebrem.
Neste momento da história, não devemos fazer nada sozinhos, no mínimo entre nós mesmos.
Quando fazemos, nosso crescimento e jornada espiritual tem uma parada.
O tempo do lobo solitário acabou. Reúnam-se!
Abandonem a palavra esforço, conflito, da sua atitude e do seu vocabulário.
Tudo o que fizermos agora, precisa ser feito de uma maneira sagrada e em celebração.

“Nós somos aqueles que nós mesmos estávamos esperando!”

Milton Luiz Cleve Küster

Milton Küster é sócio fundador do Küster Machado Advogados.
Küster Machado Advogados Associados
Com 30 anos de relevância no mercado nacional de advocacia, o Küster Machado se destaca pela sua infraestrutura e portfolio de clientes voltado ao atendimento capilarizado em mais de 20 áreas do Direito e de segmentos econômicos especializados, com sedes próprias em São Paulo, Curitiba, Londrina, Florianópolis e Blumenau. Mesclando a prestação de serviço nas áreas contenciosas e consultivas, fornece uma solução one-stop-shop aos clientes no segmento empresarial cujas operações de negócio estão situadas em todo o território nacional. Como diferencial, o escritório tem uma expertise em tecnologia que resulta na inteligência jurídica de sistematizar dados e fornecer informações em tempo real para os clientes, dedicando gestão especializada no trato das carteiras com fornecimento de performance aos negócios dos clientes. Conta com equipes de advogados especializados nas matérias o que permite a entrega de resultados personalizados para cada segmento econômico.

Últimos posts desse autor