Menu

Visão de Negócios: Entrevista com o CEO da Unimed Florianópolis

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Richard Cordeiro de Oliveira, CEO da Unimed Florianópolis, é um profissional com mais de 27 anos de experiência na área de administração de empresas, auditoria externa independente, atuando em posições estratégicas e liderança executiva em empresas nacionais e multinacionais. Nesta edição conversamos com ele sobre os desafios na gestão e um pouco da trajetória de ação que colocou a cooperativa catarinense em destaque no país. Boa leitura!

 

KM: Sua gestão na Unimed está sendo marcada pela renovação e dinamismo. Como você avalia esse período de gestão?

Richard Oliveira: Em uma visão sintética do período passado, posso descrever que a UGF transitou pela maior “onda de mudança” da sua história. Todo processo de turnaround passa por alguns estágios, aqui não foi diferente, experimentamos a transição (fase mais drástica) por algo em torno de 6 meses, depois a imersão (correção de processos de controle interno / + 6 meses), aí chegou a reformulação (correção de valores/cultura – + 6 meses) e, nos próximos 18 meses ficamos focados na consolidação, pela qual, nos asseguramos da conformidade implantada. Em todas as minhas explanações acerca do plano de recuperação fui enfático em dizer que a minha função não era prever o futuro, mas, sim, levar a UGF para um futuro incerto (dizia isso em 2015/2016). Então, além dos problemas econômicos, políticos e reputacionais que encontramos na cooperativa, ainda fomos agraciados com o impeachment no Brasil, eleição do presidente nos Estados Unidos e o “Brexit”. Agora, olhando o passado, fica claro que a perseguição severa por governança corporativa, conformidade, accountability e disciplina financeira geraram uma cooperativa mais sólida, estruturada e preparada para o futuro, mesmo que incerto…

 

KM: Quais são os principais desafios para deixar a cooperativa entre as de melhor performance no país?

Richard Oliveira: Dois aspectos relevantes colocam a UGF nesta situação privilegiada de alta performance em administração, a gestão cooperada que assumiu em conjunto a transformação e correção de direção foi completamente alinhada com os devidos e certos princípios de conformidade, ou seja, Conselho de Administração e Diretoria Executiva alinhados no jeito certo de fazer, o caminho ficou mais fácil de trilhar e, em segundo lugar, a perseverança nos 3 pilares de gestão – governança corporativa, conformidade e accountability.

 

KM: Quais são os principais investimentos, hoje, na cooperativa, para atender aos desejos e demandas dos clientes?

Richard Oliveira: Neste item estamos focados em um trilema: a) esteligência (transferência da inteligência para os “devices” que nos cercam); b) compartilhamento (as informações se tornaram horizontais e velozes); c) tribalismo (temos que estar atentos em todos os nossos públicos, assim, nossos esforços financeiros, reputacionais e humanos estão direcionados para todas as pessoas que confiam em nosso serviço, ou seja, nossos clientes e, fundamentalmente, como o serviço é “saúde” estamos empenhados em disseminar nosso “jeito de cuidar”.

 

KM: Quantos cooperados e unidades vocês têm hoje, após a reformulação de toda a gestão?

Richard Oliveira: Hoje estamos com um hospital altamente equipado e preparado para a performance exigida pelo mercado com pronto atendimento, um pronto atendimento infantil e, para toda a nossa carteira de clientes (200 mil vidas) temos 1870 cooperados médicos.

 

KM: Antes da Unimed, você passou pela consultoria Ernst & Young e um fundo de investimentos reconhecido. Quais os aprendizados desse tempo de consultoria você hoje pode aplicar como CEO na Unimed Florianópolis?

Richard Oliveira: O trânsito por diversos setores da economia com forte tendência em auditoria externa independente lapidou uma performance voltada aos princípios da governança, conformidade, transparência e severa educação/disciplina financeira, ou seja, o setup se concretizou pela mente elástica – fazer o certo/justo com os recursos disponíveis.

 

KM: Na sua gestão, você fala em prioridades de contratos bem feitos. Como o escritório, com área especializada em saúde e médicos, te ajuda nesse propósito de construir negócios mais inteligentes para os cooperados e para o mercado?

Richard Oliveira: É incomensurável o apoio nas decisões e mudanças de direção na esfera jurídica que o escritório do Küster Machado nos oferece, somos altamente exigentes nestas demandas e as mesmas são profissionalmente atendidas e, além de superadas, têm velocidade instalada. Transformamos em conjunto com o Küster Machado uma realidade ruim no tema “judicialização da saúde” para um tema altamente discutido com a corte. Somos performados pela jurimetria que o escritório nos fornece, ou seja, decisões coerentes baseadas em realidades sustentáveis. Afirmamos com substância que nossa assessoria jurídica vai além da esfera contingente, ela nos ajuda a decidir pelo certo.

Küster Machado Advogados Associados
Com 30 anos de relevância no mercado nacional de advocacia, o Küster Machado se destaca pela sua infraestrutura e portfolio de clientes voltado ao atendimento capilarizado em mais de 20 áreas do Direito e de segmentos econômicos especializados, com sedes próprias em São Paulo, Curitiba, Londrina, Florianópolis e Blumenau. Mesclando a prestação de serviço nas áreas contenciosas e consultivas, fornece uma solução one-stop-shop aos clientes no segmento empresarial cujas operações de negócio estão situadas em todo o território nacional. Como diferencial, o escritório tem uma expertise em tecnologia que resulta na inteligência jurídica de sistematizar dados e fornecer informações em tempo real para os clientes, dedicando gestão especializada no trato das carteiras com fornecimento de performance aos negócios dos clientes. Conta com equipes de advogados especializados nas matérias o que permite a entrega de resultados personalizados para cada segmento econômico.

Posts Anteriores

Visão de Negócios – Dr. Cadri Massuda, Clinipam

Nesta edição conversamos com Dr. Cadri Massuda, diretor executivo da Clinipam, operadora de plano de saúde paranaense, que foi adquirida recentemente por meio de uma operação de aquisição societária pela gigante Notre Dame.

Visão de Negócios – Angela Fey, Novozymes

Nesta edição conversamos com Angela Fey, gerente regional de Sustentabilidade da Novozymes para a América Latina. Ela fala sobre os desafios e oportunidades da indústria no combate ao aquecimento global.